Menu

Startups são Negócios Eletrônicos?

De: Gilberto Cézar Gutierrez da Costa | Negócios Eletrônicos

Startup é um tema que tem sido bastante debatido nos últimos tempos no Brasil. Você pode encontrar livros, vídeos, artigos em revistas ou na internet sobre o assunto. Existem alguns sites que são especializados no assunto.

Então, por que escrever mais um artigo sobre o assunto?

Como esse site se destina aos negócios eletrônicos e ao empreendedorismo na internet, não posso deixar de contextualizar o assunto startup nesse escopo. Portanto, embora o assunto seja repetitivo em alguns aspectos, por outro lado, você pode encontrar uma nova perspectiva das startups.

Objetivos do Artigo

  • Explicar o significado de startups;
  • Expor as principais características das startups;
  • Debater sobre o aspecto da viabilidade das startups.

Origem do termo startup

O termo startup foi utilizado primeiramente nos EUA a partir de meados da década de 1990 e significava um grupo de pessoas trabalhando com uma ideia inovadora que, aparentemente, pode se tornar um negócio de sucesso e, assim, criar riqueza.

Nem sempre uma startup possui uma empresa legalmente constituída em seus períodos iniciais. Portanto, ela pode ser considerada como um projeto embrionário ou uma empresa ainda em fase de constituição.

Porém, logo que ela se mostra viável e começa a crescer, é necessário que se constitua como uma organização legal.

Em geral, a maior parte das startups são desenvolvidas na área tecnologia e no ambiente da internet. Nesse caso, pode-se dizer então, que elas também são Negócios Eletrônicos. Porém, existem muitas startups em outras áreas.

Empresas consolidadas como a Apple, Google, Yahoo, Ebay, Amazon, Twitter, LinkedIn, Netflix, Dropbox, Grupon, dentre outras, são exemplos de startups de sucesso.

Muitas vezes, o que as torna diferenciadas é o espírito empreendedor das pessoas envolvidas no projeto e a busca de um modelo de negócio inovador. Algumas startups obtiveram o sucesso atuando em negócios tradicionais, porém, com modelos de negócios diferentes.

Além da inovação, as startups apresentam algumas características importantes:

  • Operam em cenários de incertezas: as startups operam nesse tipo de cenário. Se todos os negócios apresentam seus riscos e incertezas, no caso das startups, essa característica é ampliada. Por serem, em geral, bastante inovadoras, não há como afirmar com segurança se a ideia central e o projeto de empresa irão realmente dar certo, ou ao menos se provarem sustentáveis.
  • Produtos ou serviços que podem ser repetidos: os produtos ou serviços gerados pelas startups, além de gerarem alto valor para seus potenciais clientes, devem ser capazes de serem repetidos, ou seja, a startup deve ser capaz de entregar o mesmo produto ou serviço para múltiplos clientes em escala potencialmente ilimitada, sem muitas personalizações ou adaptações para cada cliente.
  • Escaláveis: este é um termo comumente utilizado na área industrial. De forma sucinta, economia de escala é a organização do processo produtivo de forma otimizada, buscando atingir a utilização máxima dos fatores produtivos necessários e a redução dos custos. Para as startups, escala significa crescer cada vez mais sem modificar o modelo de negócio e com custos marginais cada vez menores. Há um crescimento alto nas receitas e baixo nos custos.
  • Rentável: uma das principais expectativas das startups é a alta lucratividade do modelo de negócio, principalmente por serem inovadoras, permitirem a repetição e serem escaláveis. Pense em um software: Você tem um custo inicial para o seu desenvolvimento, porém, ao vende-lo em escala, os seus custos são diluídos em cada unidade vendida. O custo de copiar o software e vende-lo para outro cliente é próximo de zero. Se dividirmos o custo de desenvolvimento pelo número de unidades vendidas, quanto mais se vende, menor esse custo marginal.

Você pode encontrar mais material sobre as startups no site do Sebrae.

Como analisar a viabilidade das startups?Análise de viabilidade

Segundo levantamento da Associação Brasileira de Startups, atualmente nove entre cada dez startups fecham as portas antes de o negócio entrar em vigor.

As startups geralmente apresentam alto grau de risco do que os negócios tradicionais. Mas, como se diz na área financeira: Quanto maior o risco, maior o lucro… ou prejuízo. Portanto, um estudo da viabilidade seria bastante relevante para negócios desse tipo.

No entanto, como elas trabalham em um ambiente de extrema incerteza, como avaliar a sua viabilidade? Como assegurar que ela terá boas chances de sucesso? Como estimar a sua lucratividade?

Até pouco tempo atrás, quando uma pessoa queria empreender, ela deveria recorrer aos planos de negócios (em inglês, business plan). Essa ferramenta foi e ainda é bastante importante no estudo de viabilidade dos negócios, valorizado tanto no campo acadêmico quanto empresarial.

Embora haja muita polêmica sobre a utilização dos planos de negócios para startups, parece que eles são mais adequados para negócios mais tradicionais e conhecidos, com modelos de negócios mais consolidados ou pelo menos parecidos com os mais comuns, mudando somente algumas variáveis que necessitam de pesquisas mais aprofundadas.

Isso não quer dizer que os planos de negócio não servem para projetos inovadores, mas as startups são extremamente inovadoras e os planos de negócios não tem se mostrado a melhor ferramenta para o seus desenvolvimentos.

Para que o projeto de uma startup atinja o sucesso desejado, além dos recursos necessários (físicos, humanos, financeiros, etc.), é fundamental que uma série de suposições sobre os seus elementos, estratégias e mercado sejam verdadeiras, ou seja, dependem da comprovação de uma série de hipóteses que compõem o negócio.

Um pano de negócio não consegue fornecer essas informações com segurança. A chance de errar nas suposições sobre diversos aspectos relacionados ao negócio é muito grande, mesmo que seu plano de negócio seja elaborado com extremo profissionalismo e pesquisas de campo consistentes.

Mesmo porquê, o cenário atual da economia e do mercado é dinâmico. Ao recorrer ao desenvolvimento de um plano de negócio, trabalhar por meses em pesquisas, análises e cálculos, o empreendedor corre um sério risco de, ao terminá-lo, o mundo ter mudado e seu plano de negócio estará obsoleto, ou pelo menos desatualizado.

Atualmente, algumas metodologias mais adequadas têm sido utilizadas para isso. A metodologia do BMG (Business Model Generation ou Geração de Modelos de Negócios), desenvolvido por Alexander Osterwalder e Yves Pigneur. e metodologia da  Startup Enxuta, desenvolvido por Eric Ries.

Escrevi dos artigos sobre elas:

As duas metodologias se complementam e são fáceis de se compreender. Utilizar essas ferramentas não é garantia de sucesso, mas suas chances aumentam muito mais ao utilizá-las.

Mesmo que seu projeto de startup não dê certo, se você utilizar essas ferramentas adequadamente, o prejuízo será bem menor porque você não precisa investir tanto tempo e dinheiro para avaliar se a startup tem ou não potencial de sucesso.

Muitos empreendedores famosos da atualidade, principalmente os das startups, revelam que falharam algumas vezes antes de conseguir atingir o sucesso.

Uma frase que tem sido repetida nessa nova era de empreendedorismo com as startups é mais ou menos assim:

“Erre o mais cedo possível, aprenda com isso, levante-se e siga em frente até atingir o sucesso”.

Em resumo…

Nesse artigo procurei explicar o significado de startup, que elas nem sempre são empresas constituídas em seus períodos iniciais.

Posteriormente, foram apresentadas as suas principais características, ou seja, que elas operam em cenários de incertezas, seus produtos ou serviços apresentam a capacidade serem repetidos, o negócio é escalável e rentável.

Por fim, foi abordado o assunto da análise da viabilidade das startups, e foi dada a recomendação de se utilizar a metodologia de modelos de negócios BMG e Startup Enxuta para minimizar os riscos.

 

Espero ter contribuído no entendimento desse assunto.

 

Forte abraço,

 

Gilberto Cézar Gutierrez da Costa

FIQUE ATUALIZADO!

Insira aqui o seu melhor e-mail para receber gratuitamente
as dicas e atualizações deste site!

Deixe seu comentário:

O que você achou desse artigo? Você concorda com as informações colocadas aqui? Tem algo que possa complementar? Alguma dica? Alguma crítica?

Clique aqui e deixe um comentário
Siga

Sobre o Autor

Gilberto Cézar Gutierrez da Costa é professor, escritor, empreendedor e entusiasta no tema Negócios Eletrônicos. Formado em Ciências Econômicas, especialista em Informática (Tecnologia da Informação) e Educação Superior Tecnológica, Mestre em Administração de Empresas (Administração Estratégica).

>